Blog Se Liga!

SKU no e-commerce: otimizando eficiência e impulsionando vendas

Veja a importância do SKU (Stock Keeping Unit) no e-commerce, como ele revoluciona a gestão de inventário e seu impacto no sucesso do varejo online.

Um SKU (Stock Keeping Unit), em sua essência, é um identificador único, uma mistura de letras e números, atribuído a cada produto em um inventário, refletindo atributos como tamanho, cor, estilo e fabricante. Este sistema engenhoso serve não apenas como um simples rótulo, mas como uma ferramenta crucial para categorizar, rastrear e gerenciar uma variedade de produtos no acelerado mercado online.

Fazendo uma analogia para simplificar o entendimento, compreender a importância do SKU é como desvendar o DNA de cada e-commerce. Ele auxilia os varejistas na gestão eficiente de seus estoques, garantindo que o produto certo chegue ao cliente certo, elevando assim a experiência geral de compras. A relevância no e-commerce não pode ser subestimada, pois é um elo entre a precisão do inventário, a satisfação do cliente e, finalmente, o sucesso do negócio. Ao longo do artigo, iremos explorar vários aspectos importantes relacionados a esses três pontos. Acompanhe até o final para ter todos os detalhes.

Para que são usados SKUs no e-commerce?

SKUs são usados no e-commerce principalmente para facilitar a gestão do estoque. Em um ambiente onde diversos produtos são vendidos, agem como um sistema de organização eficiente, distinguindo cada item com suas características específicas. Isso não apenas melhora a organização do estoque, mas também otimiza o fluxo logístico dos pedidos, garantindo entregas precisas e dentro do prazo. Além disso, são utilizados em marketplaces e sistemas de ERP para integrar e automatizar o inventário do negócio, tornando a gestão mais eficiente e ágil.

5 benefícios de usar SKUs

  1. Melhor organização: a classificação e organização eficiente do estoque de acordo com as características de cada produto.
  2. Controle aprimorado do estoque: permite um acompanhamento detalhado da entrada e saída de mercadorias, facilitando o planejamento de reposições e estratégias de vendas.
  3. Agilidade na localização de produtos: com um estoque bem organizado, os itens podem ser encontrados rapidamente, agilizando o processo de entrega.
  4. Comunicação facilitada: referir-se aos produtos através de um código simples e lógico é muito mais eficiente do que descrever todas as suas características.
  5. Maior produtividade: aceleram a localização e movimentação de mercadorias, minimizando falhas no processo, como o envio de pedidos errados.

Qual é a diferença entre SKU e código de barras?

É comum confundir SKU com código de barras, mas eles são distintos. SKUs são criados internamente pelos lojistas para organizar e gerir o estoque, sendo únicos para cada empresa e interpretáveis de maneira lógica. Já o código de barras é gerado por um sistema externo, como o fabricante, e lido por meio de leitores ópticos. O código de barras mais comum é o EAN, uma identificação fixa e universal do produto, exigida por muitos marketplaces e comparadores de preços.

Passo a passo simples para a criação de um código SKU

Criar um código SKU eficiente envolve algumas práticas:

  1. Incluir apenas informações essenciais: criar códigos curtos com características relevantes para a identificação do produto.
  2. Seguir uma sequência lógica: estabelecer um padrão que permita interpretar e criar SKUs de forma intuitiva.
  3. Criar um código para cada variação de produto: cada variação de um produto, como cor ou tamanho, deve ter um SKU próprio.

Veja na prática um modelo hipotético de código:

Modelo de SKU: [Marca]-[Tipo]-[Gênero]-[Cor]-[Tamanho]

Exemplo 1: Tênis Nike Feminino Branco Tamanho 38

  • Marca: Nike (NI)
  • Tipo de Calçado: Tênis (TN)
  • Gênero: Feminino (F)
  • Cor: Branco (BR)
  • Tamanho: 38
  • SKU: NI-TN-F-BR-38

Exemplo 2: Sapato Social Masculino Preto Tamanho 42

  • Marca: Prada (PR)
  • Tipo de Calçado: Sapato Social (SS)
  • Gênero: Masculino (M)
  • Cor: Preto (PT)
  • Tamanho: 42
  • SKU: PR-SS-M-PT-42

Como funciona o SKU

Marca: A abreviação da marca ajuda a identificar rapidamente o fabricante do produto.

Tipo de Calçado: Especifica a categoria do calçado (tênis, sapato social, sandália, etc.).

Gênero: Indica para qual gênero o calçado é destinado (masculino, feminino, unissex).

Cor: A cor do calçado é essencial para distinguir diferentes variações do mesmo modelo.

Tamanho: Um atributo crucial, especialmente em produtos como calçados, onde o tamanho exato é importante para o cliente.

Este modelo ajuda a loja virtual a organizar seu inventário de forma eficiente, facilitando a identificação rápida de produtos específicos. Ele também permite que a equipe de vendas, logística e atendimento ao cliente localize e gerencie o estoque de maneira mais eficaz, melhorando a experiência de compra do cliente e otimizando as operações internas.

Qual o impacto na receita da empresa e em indicadores de sucesso?

Os SKUs têm um impacto significativo na receita e nos indicadores de sucesso de um e-commerce. Eles permitem um controle mais preciso do inventário, reduzindo perdas e melhorando a eficiência operacional, como já mencionamos. Além disso, facilitam a análise de vendas e tendências de produtos, permitindo que os varejistas tomem decisões mais informadas sobre estoque e estratégias de marketing. Isso leva a uma melhor gestão de recursos, aumentando a lucratividade e a satisfação do cliente.

Para isso, muito importante medir e acompanhar os indicadores de desempenho dos produtos. Separamos alguns que podem fazer sentido para e-commerces.

Alguns exemplos de indicadores de SKU para acompanhamento de performance

  • Rotatividade de SKU (Turnover) – mede a frequência com que é vendido e substituído em um determinado período. Uma alta rotatividade pode indicar alta demanda, enquanto uma baixa rotatividade pode sinalizar excesso de estoque ou baixa demanda.

Ex: Se um lote de 100 camisetas (SKU A123) foi completamente vendido e reabastecido 5 vezes ao longo do ano, a rotatividade desse SKU é 5.

  • Taxa de esgotamento de SKU (Sell-Through Rate) – calcula a porcentagem de unidades de um SKU vendidas em comparação com o número de unidades que foram inicialmente disponibilizadas. Este indicador é crucial para avaliar a popularidade e a eficiência das vendas de um produto específico.

Ex: Se 200 unidades do SKU B234 (uma linha de relógios) foram colocadas à venda e 150 foram vendidas em um mês, a taxa de esgotamento é 75% (150/200).

  • Nível de estoque de SKU (Inventory Level) – monitora a quantidade de cada item disponível no estoque. Esse indicador ajuda a evitar tanto o excesso quanto a falta de estoque, permitindo um planejamento mais eficaz da cadeia de suprimentos.

Ex: Para o SKU C345 (um modelo específico de tênis), existem atualmente 50 unidades em estoque.

  • Margem de lucro por SKU (Profit Margin) – analisa a rentabilidade de cada item vendido, considerando o custo do produto e o preço de venda. Este KPI é vital para entender quais produtos contribuem mais para a lucratividade geral do negócio.

Ex: Se um celular (SKU D456) é comprado por R$500 e vendido por R$800, a margem de lucro é R$300 por unidade.

  • Custo de armazenamento por SKU (Storage Cost) – refere-se ao custo associado ao armazenamento de cada código. Produtos que ocupam muito espaço ou requerem condições especiais de armazenamento podem ter custos mais altos, afetando a margem de lucro.

Ex: O SKU E567, um tipo de mobiliário grande, custa R$10 por mês para ser armazenado devido ao seu tamanho e requisitos especiais.

  • Índice de satisfação do cliente por SKU (Customer Satisfaction Index) – mede o nível de satisfação do cliente com cada item, baseando-se em fatores como avaliações de produtos, taxa de devolução e feedbacks. Este indicador é importante para entender a percepção do cliente em relação aos produtos e fazer ajustes conforme necessário.

Ex: O SKU F678, um tipo de perfume, tem uma avaliação média de 4,5 estrelas em 5, indicando alta satisfação do cliente.

  • Taxa de devolução de SKU (Return Rate) – determina a porcentagem de unidades de um determinado item que são devolvidas pelos clientes. Uma alta taxa de devolução pode indicar problemas com o produto, como descrições imprecisas ou questões de qualidade.

Ex: De 100 unidades vendidas do SKU G789 (um modelo de blusa), 10 foram devolvidas, resultando em uma taxa de devolução de 10%.

  • Taxa de conversão de SKU (Conversion Rate) – mede a eficácia de um item em converter visualizações em vendas. Uma taxa de conversão baixa pode indicar que o produto não está atendendo às expectativas dos clientes ou que há problemas na apresentação do produto.

Ex: Se 1.000 visitantes visualizaram o SKU H890 (um modelo de câmera digital) online, e 50 compraram o produto, a taxa de conversão é 5%.

Monitorar esses indicadores de SKU ajuda os gerentes de e-commerce a tomar decisões informadas sobre gestão de estoque, marketing, precificação e estratégias de vendas, contribuindo significativamente para o sucesso e eficiência do negócio.

Chegou a hora do cliente de pagar, como a etapa de pagamentos online é impactada pela abordagem com SKU?

A integração de SKUs na etapa de pagamentos online tem um efeito significativo. Facilita o rastreamento e a reconciliação de vendas, melhorando a precisão nas transações. Isso se traduz em processos de checkout mais rápidos e eficientes, pois cada produto com seu SKU único pode ser rapidamente identificado e processado. Além disso, ajuda a prevenir erros de processamento e fraudes, contribuindo para uma experiência de compra online mais segura e confiável para os clientes.

Pagamentos + Performance: 9 dicas para melhorar a experiência do checkout e aumentar as vendas

A correlação entre os SKUs e uma melhor performance dos pagamentos durante as vendas no e-commerce é significativa e multifacetada. Os SKUs, quando bem implementados e gerenciados, contribuem para um processo de pagamento mais eficiente e confiável de várias maneiras:

  1. Precisão no processamento de pedidos:  com códigos claramente definidos, cada item em um pedido pode ser rapidamente identificado e processado. Isso reduz erros durante o checkout, como a seleção do produto ou variação errada, garantindo que os clientes paguem exatamente pelo que desejam.
  1. Agilização do checkout: um sistema bem estruturado permite que as informações do produto sejam rapidamente acessadas e confirmadas durante o processo de checkout. Isso pode acelerar o processo de pagamento, proporcionando uma experiência de usuário mais suave e reduzindo a probabilidade de abandono do carrinho.
  1. Pagamentos personalizados: com a orquestração de fluxos inteligentes, cada e-commerce pode modular a experiência de pagamentos para cada tipo de transação, utilizando de condicionais especiais para determinar cada rota, evitando fricções e perdas nas vendas. Os usos mais comuns são relacionados às condicionais de valores de ticket de venda, balanceadores de carga para uso nas bandeiras de cartão, melhores taxas em provedores de pagamentos e outros.
  1. Gerenciamento de inventário em tempo real: permitem um monitoramento em tempo real do inventário. Isso significa que os clientes só veem e compram produtos que estão realmente disponíveis, minimizando a ocorrência de vendas de itens fora de estoque que podem levar a cancelamentos e reembolsos.
  1. Reconciliação financeira facilitada: é mais fácil rastrear quais produtos foram vendidos e reconciliar essas vendas com os pagamentos recebidos. Isso é crucial para a contabilidade precisa e para manter a integridade financeira do negócio.
  1. Redução de fraudes: códigos detalhados ajudam na identificação precisa de produtos, o que pode reduzir fraudes relacionadas a pagamentos e devoluções. Por exemplo, é mais difícil para um cliente alegar erroneamente que recebeu o produto errado quando são usados para rastrear exatamente o que foi enviado.
  1. Melhoria na análise de dados: a utilização desses códigos permite uma coleta de dados mais detalhada sobre quais produtos são mais vendidos, preferências do cliente, e sazonalidade. Essas informações podem ser usadas para otimizar estratégias de preços e promoções, influenciando positivamente a performance de vendas e pagamentos.
  1. Retentativas automáticas: a retentativa automática em diferentes provedores de pagamento é uma estratégia importante no e-commerce para melhorar a eficiência das transações e reduzir o número de vendas perdidas devido a falhas nos pagamentos, principalmente quando o tipo de transação é negada por erros genéricos. A retentativa automática de pagamento ocorre quando um pagamento inicial falha, e o sistema automaticamente tenta processar o pagamento novamente. Essa ação pode ser feita através do mesmo provedor de pagamento, o mais comum, ou alternando para diferentes provedores, aumentando a chance de aprovação e com isso elevando a Taxa de Aprovação das vendas.
  1. Personalização da experiência do cliente: com dados, é possível oferecer recomendações personalizadas e promoções direcionadas, aumentando a probabilidade de conversões e, consequentemente, efetuando mais pagamentos.

Portanto, a implementação eficaz de SKUs no e-commerce não só melhora a gestão do inventário e a experiência do cliente, mas também tem um impacto direto e positivo na performance dos pagamentos durante as vendas.

Dessa forma, não apenas facilitam a operação diária de uma loja online, mas também fornecem dados valiosos que podem ser usados para tomar decisões estratégicas. Implementar um sistema eficaz é um passo crucial para qualquer negócio de e-commerce que busca otimizar operações, melhorar a satisfação do cliente e impulsionar o crescimento das vendas.

Quer saber como otimizar suas vendas com uma gestão de pagamentos eficaz? Converse com nossos especialistas e veja como a Malga pode ajudar.

Perguntas frequentes (FAQ):

É possível automatizar a criação de SKUs?

Sim, é possível automatizar a criação de códigos usando software de gestão de inventário ou sistemas ERP, que podem gerar códigos com base em regras predefinidas, economizando tempo e reduzindo erros.

Qual o papel dos SKUs na expansão para novos mercados ou plataformas de e-commerce?

Ao entrar em novos mercados ou integrar-se a diferentes plataformas de e-commerce, ajudam a garantir a consistência e a precisão dos dados do produto. Eles permitem uma integração mais fácil com novos sistemas e marketplaces, assegurando que a informação do produto seja mantida uniforme em todos os canais. Isso é crucial para manter a integridade da marca e a confiança do cliente ao expandir para novos mercados ou plataformas.

Como a implementação de SKUs pode transformar a estratégia de marketing digital de um e-commerce?

A implementação deles permite uma segmentação e análise de dados mais precisas, essenciais para o marketing digital. Ao entender quais produtos têm melhor desempenho, os e-commerces podem ajustar suas estratégias de marketing e publicidade, focando em itens mais populares ou promovendo aqueles com menor rotatividade, o que pode resultar em campanhas mais eficazes e ROI aumentado.

→ Você também pode se interessar por ler:

Aproveite e leia também: